Eight-Minute Empire: Legends é um jogo de controle de área mesclado com coleção de conjuntos (set collection). As regras são bem diretas: no seu turno você pega uma carta da fileira de seis cartas disponíveis. A primeira carta da fileira é de graça, as próximas duas custam 1 cada, a quarta e a quinta carta custam 2 cada, e a sexta (e última) carta custa 3. Cada carta possui duas informações relevantes: na parte de baixo está indicada qual a ação permitida pela carta (usualmente será: ou colocar exércitos (cubos) no tabuleiro, ou mover exércitos, ou remover exército de um dos oponentes, ou construir uma fortaleza). Na parte de cima da carta está o nome da mesma e o efeito especial dela: ou ter a carta lhe dará algum bônus para algum dos tipos de ação (como, por exemplo, dar-lhe um movimento extra quando movimentando, ou permitindo colocar um exército adicional) ou será alguma coisa relacionada à pontuação (como: 1 ponto de vitória por carta do tipo Floresta que você tiver ao final do jogo, ou 1 ponto de vitória para cada 3 moedas que você tiver ao final da partida).
Leia o resto deste post »

Anúncios

Publicado: 4 de outubro de 2019 por Tiago Perretto em Resenha
Tags:, , , , ,

Firenze é um jogo razoavelmente fácil de aprender e jogar, no qual você coleta cartas e tijolos de forma a construir torres/prédios em Florença e ganhar, com isso, prestígio. O melhor construtor será o vencedor! Leia o resto deste post »

Automobile é um jogo econômico, de dificuldade média, feito pelo designer Martin Wallace. No jogo o propósito é fazer e vender carros no disputado mercado do final de 1890 e começo de 1900. É um jogo realmente apertado: somente 4 rodadas, com três ações (e mais algumas decisões) por rodada.

No começo de cada rodada os jogadores pegam, secretamente, peças de demanda (que têm números que variam de 2 a 5) – a some dessas peças formará a demanda de carros para aquela rodada, mas o jogador somente conhece o(s) número(s) que ele mesmo pegou e tem que estimar qual será o total da demanda para aquela rodada. Então cada jogador, em ordem de turno, seleciona um patrono – todas renomadas personalidades da indústria automotiva, que irão fornecer algum tipo de benefício: o For permite ao jogador, quando construindo fábricas, fazer uma a mais (podendo, assim, fazer até três com uma ação); o Sloan remove parte do débito (peças pretas) do jogador; o Howard assegura a venda de dois carros; e assim em diante. Leia o resto deste post »

Você desperta e olha em volta, zonza e sonolenta, assustada também quando percebe que estava deitada na grama cinzenta ao lado de um precipício. Do alto, na posição privilegiada que se encontra, você observa que o céu é róseo perto do horizonte em toda a volta, e de tonalidade azul-escuro até o negro como ônix, nos locais onde as nuvens de tempestade, rugindo trovões e lançando raios, não cobrem. Abaixo, dentro de um vale cercado por penhascos de alturas impossíveis, que parecem vivos devido ao bruxuleio das sombras, aninha-se um castelo, não, é mais uma fortaleza de bastiões instransponíveis em cima de um morro e cercado por centenas de muros e centenas de fossos de águas pútridas. Um relâmpago ilumina a escuridão do vale e você tapa sua boca com suas mãos para conter o grito.

Os penhascos não estão vivos, mas as sombras estão. Milhares, talvez milhares de milhares, que escorriam pelas frestas e deslizavam pelas fendas. Você as conhece, viu-as antes no Castelo de Qui Tever. Não eram sombras comuns: esticadas demais, com grandes mãos e pés que terminavam em garras e havia uma aura de malícia e malevolência que os envolvia que, você sabia, poderiam destroçar a mente das pessoas comuns. Sua fortuna era nunca

O chão do vale e mesmo além dele, cobrindo a planície sem-fim, estava apinhado de sombras que se moviam em ondas na direção do castelo-fortaleza, chocando-se com os muros e superando-os pela força dos números, como uma praga de insetos avançando sobre uma plantação. Um contingente de sombras tentava defender os muros, iniciando batalhas renhidas em incontáveis pontos. Aquelas que corriam pelas paredes escarpadas do penhasco saltavam em tal quantidade que pareciam uma cachoeira negra e translúcida: uma torrente de fúria que represa alguma poderia conter.

A cada instante as atacantes se aproximavam do castelo-fortaleza. Da torre de menagem saiu, em revoada, uma corrente contínua de corujas que, tantas eram, parecia unir o céu a terra, alcançado, com seu vôo, a tempestade de rosnava. Os baluartes, antes inexpugnáveis, foram superados. Porém, ali embaixo, uma figura, maior e mais concreta que a miríade de sombras a sua volta, ergueu nas mãos algo que refulgiu e assustou as sombras, afastando-as ao ponto de abrir um espaço naquela multidão.

Você sabe que é importante ver quem é esse indivíduo, entretanto a distância lhe previne de discernir com precisão. Estranhamente, enquanto você foca a sua visão a imagem parece se avizinhar, como se você estivesse voando naquela direção, porém sem sair do lugar. Ao ver quem é a figura coroada por si mesma, um horror gélido toma seu corpo e você não consegue segurar o grito.

A atenção daquele que agora tem a cabeça ornada pela coroa se volta para você. Não na sua direção, mas em você, enxergando-te como se estivesse ao lado dele. Você não ouve o que ele pronuncia quando abre a boca e aponta para sua pessoa, mas a ira na face dele não lhe dá margem para dúvidas sobre as intenções de seu comando.

As sombras uivam e guincham enquanto giram e correm para lhe pegar e despedaçar-te. Você tenta fugir, todavia seus pés afundam na grama, como se estivesse num lodaçal. Suor desce pela sua fronte devido à exaustão causada pelo esforço para escapar e, mesmo assim, as sombras gritam pelo seu sangue e saltam sobre você, que se encolhe chorando.
De olhos fechados você não viu quando um bico amarelo agarrou a sombra mais próxima de você e a partiu ao meio, nem o momento em que a grande asa negra de um melro-preto afastou as outras que estavam mais perto, lançando-as longe. Sentiu, no entanto, quando patas fortes, pegaram você e lhe retiraram do lodaçal. Beogram subiu, batendo vigorosamente as asas e, lá embaixo, berrando blasfêmias e ameaças, estava Hanter, com a cabeça coroada.

Você despertou para a realidade.

URBION – O JOGO

Geral:
Urbion é um jogo solitário (ou para dois jogadores) em que o objetivo é equilibrar, no mundo onírico, os Pesadelos (Incubi – negativo) e os Sonhos (Sognae – positivo), de forma que haja paz na Cidade dos Sonhos. Porém o Caos tentará, constantemente, por tudo a perder, promovendo o desequilíbrio, a dissensão e os conflitos de volta. Como líder da Cidade dos Sonhos é seu objetivo manter os distritos (e os Incubi e os Sognae) em harmonia.
Leia o resto deste post »

O básico das regras:

No A Study in Emerald os participantes dividem-se, secretamente, em dois times: alguns serão legalistas (que desejam manter a ordem das coisas como está ou, ainda, potencializá-la ao provocar uma guerra geral para confirmar e garantir a supremacia dos Antigos) enquanto outros serão os restauracionista (que querem fazer a humanidade tornar a ser dona de si mesma, derrubando os Antigos de seus postos de controle). A dinâmica do jogo é a seguinte: em seu turno o jogador tem duas ações para realizar e com elas ele pode: Leia o resto deste post »

Os passos na calçada pavimentada de pedras soavam abafados na neblina densa que subia dos canais. O caminho estava liso e era preciso andar com cuidado para não escorregar e cair, e o caminhante pensou nisso e sorriu, vendo um paralelo claríssimo com sua situação na política da cidade. Assim, ele reduziu o passo – pena que não podia fazer o mesmo em sua outra estrada, pois os leões vinham atrás e estavam todos famintos. Chegou adiante do arcos lavrados de um ponte, marcada com o brasão de um de seus oponentes. Torceu o rosto num sinal de desprezo e escárnio. Então cruzou os braços e ficou ali, esperando.

Andando pela ponte veio seu contato, um empolado comerciante de Mestre, para o qual tinha pouco apreço, mas, neste momento, era alguém que carregava alguma importância, por isso o saudou com um aceno, mantendo o silêncio – havia muitos que desejavam ouvir mais do que o rumorejo da água. Junto de seu contato, ambos seguiram até uma travessa cercada por paredões de tijolos úmidos, um local onde poderia falar mais livremente, pois estavam afastados de janelas e portas.

“E então?”, o nobre veneziano perguntou.

“Amigo”, falou o comerciante, mas não eram nem perto disso, “trago as boas novas. Você poderá aumentar sua influência em San Polo, um lugar de mérito, tanto para quem controla como para quem apenas ocupa-se de uma posição notável na região. Além disso, poderá dispor de um novo Espião na cidade.”

“Isso é bom, mas e o preço?”

“Três limites, meu amigo.”

“Hum”, resmungou o nobre. Era um valor alto, mas que ele poderia pagar. “E o que mais?”

“Pode arranjar um visita do Dogue, que, como sabe, estará mais atento aos seus negócios, rendo-lhe um ganho de destaque na cidade. E conseguirá expandir seu apoio em Cannaregio. Tudo por quatro limites.”

“Um preço alto.”

“Alto, realmente, meu amigo. Mas o Dogue, como sabe, é volátil em seus gostos e pode ajudar aos outros, se o senhor não fizer questão que ele volte seus olhos para sua graça.”

“Não preciso ser lembrado disso por alguém de Mestre”, retrucou o nobre, amargo, nem tanto pelo comentário, que era válido, e mais pela insistência do comerciante em querer transformá-los em colegas, o que apenas o diminuía.

“Perdoe-me”, pediu o comerciante, sem real humildade.

“Qual a última opção?”

“Meramente um pouco de apoio em Castello e Dorsoduro, pelo custo de 1 limite.” O preço era pequeno, mas aqueles regiões estava fora da área de influência do nobre, que teria pouco a ganhar colocando alguns peões em meio a tantos Bispos e Cavalos dos outros – era uma briga que poderia começar, no entanto, mas cujo resultado ele não podia, ainda, prever. O nobre ponderou, a mão no queixo, sentindo o sereno úmido descer sobre eles. Havia sons na noite, mas ele não se importava com eles naquele momento.

“Bem”, soltou, de repente, assustando um pouco o comerciante que mantivera-se em seus próprios pensamentos, “avise ao Dogue que será um prazer recebê-lo e mande um abraço para meus amigos em Cannaregio.”

“Assim será feito, meu amigo.”

Sem despedidas, cada um foi para seu lado enquanto a madrugada descia por sobre Veneza.

SAN MARCO – O JOGO

Geral:
San Marco é um jogo que ocorre em Veneza, onde alguns nobres disputam pela maior influência na cidade ao controlar importantes regiões enquanto buscam agradar o Dogue – o Prefeito de Veneza. Para atingir seus objetivos, os nobres valem-se da construção de pontes, de espiões e até de banimentos – ainda que temporário – daqueles envolvidos com seus oponentes de certos locais. É em meio a esta luta por espalhar a influência que o San Marco desenvolve-se. Quem tornar-se-á o mais notável cidadão de Veneza?
Leia o resto deste post »

Glen More – resenha

Publicado: 23 de agosto de 2019 por Tiago Perretto em Resenha
Tags:, , , , ,

Loch Lomond Lyrics – Runrig Ft. The Tartan Army:

GLEN MORE – O JOGO

Geral:
Glen More é um jogo em que as pessoas são líderes escoceses tentando fazer sua região crescer, de forma que ela torne-se a maior e melhor de toda a Escócia. Para isso, você plantará campos, criará rebanhos, erigirá castelos e vilas e tomará posse de lagos. Você poderá ainda produzir uísque e construir tabernas e açougues; participar de feiras e tornar membros do clã em chefes, expandindo a importância do clã como um todo. Ao final de três estágios, uma das regiões será a melhor de todas e tornar-se-á o orgulho da Escócia!
Leia o resto deste post »