Posts com Tag ‘Jogos de estratégia’

Como foram erguidas as pirâmides do Egito?
por 
Marina Motomura

A construção das pirâmides botou milhares de egípcios para suar, exigiu conhecimentos avançados de matemática e muitas pedras. Das cem pirâmides conhecidas no Egito, a maior (e mais famosa) é a de Quéops, única das sete maravilhas antigas que resiste ao tempo. Datada de 2 550 a.C., ela foi a cereja do bolo de uma geração de faraós com aspirações arquitetônicas. Khufu (ou Quéops, seu nome em grego), que encomendou a grande pirâmide, era filho de Snefru, que já tinha feito sua piramidezinha. O conhecimento passou de geração em geração, e Quéfren, filho de Quéops, e Miquerinos, o neto, completaram o trio das pirâmides de Gizé. Para botar de pé os monumentos, que nada mais eram que tumbas luxuosas para os faraós, estima-se que 30 mil egípcios trabalharam durante 20 anos. “Esses trabalhadores eram trocados a cada três meses. A maioria trabalhava no corte e transporte dos blocos”, diz Antonio Brancaglion Jr., egiptólogo do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Além do pessoal que pegava pesado, havia arquitetos, médicos, padeiros e cervejeiros. Tudo indica que esses caras eram livres (e não escravos), pagos com cerveja e alimentos. Mas há controvérsias. Alguns apostam em 100 mil trabalhadores, além de teses que atribuem a obra a ETs!

As pedras foram o começo de tudo – cada bloco pesava em média 2,5 toneladas, mas isso variava: o tamanho diminuía de acordo com a altura, e em lugares específicos, como a câmara do rei, havia pedras gigantes, estimadas em até 80 toneladas. Depois de cortados nas pedreiras, os blocos eram lixados e catalogados: escrevia-se o nome do faraó e o do grupo de trabalhadores responsáveis. No total, 2,3 milhões de blocos teriam sido usados na construção da pirâmide de Queóps.

EGIZIA – O JOGO

Geral:
Egizia é um jogo de alocação de trabalhadores, cujo tema envolve o Egito e suas fabulosas construções: a pirâmide, a Esfinge, o obelisco, as tumbas e o templo. Para melhor envolver-se nessas construções, os jogadores devem contratar trabalhadores, prover alimentação e manter um fluxo constante de pedras a serem utilizadas. Aquele que for o melhor construtor será o vencedor!
(mais…)

Anúncios

Yspahan – resenha

Publicado: 2 de agosto de 2019 por Tiago Perretto em Resenha
Tags:, , , , ,

“A cidade esta repleta de sons e odores. O barulho das vozes, muitas vozes, conversando, anunciando, pedindo, regateando, rogando, está entremeada pelos cheiros de páprica, romãs, incenso, mirra, almíscar, entre outros. O mercado brilhava com as porcelanas coloridas e inúmeras peças de vidro que refletiam a luz do sol naquela manhã. Por todo lado estavam os tapetes, feitos em padrões intrincados, de qualidade ímpar e, cada um, único. Porém, o maior movimento, como usual, ocorria em torno das lojas de comida e, ainda mais, naquelas muitas que vendiam a seda advinda dos cantos do império e da China.

Uma cáfila de onze passava seguindo o guia obedientemente, cruzando a praça como uma faca corta o tecido. O condutor berrava, anunciando a partida da caravana com destino à Índia. A partida da caravana seria o grande evento daquele dia, e seria acompanhada por centenas, talvez milhares, que em conjunto sonharão com as riquezas e paisagens exóticas que esperam os viajantes na terra distante para a qual se encaminham. Não é uma estrada sem perigo, mas, para os que ficam, isso apenas aumenta o feito e a atração exercida neles pela estrada ondulante e, aparentemente, sem fim.

No entanto, mesmo com a ida da caravana, a cidade em nada diminuiu, pois para cada um que sai, dois novos chegam, vindos da Arábia, Síria, Petra, Paquistão e um milhar de outras cidades, regiões e nações, pois esta é Yspahan, a joia do mundo, a capital do Império Persa.”

YSPAHAN – O JOGO

(mais…)

O básico das regras:

Tzolk’in: The Mayan Calendar é um jogo em que os participantes representam tribos maias buscando expandir, desenvolver e agradar aos deuses. A melhor tribo vence.

O jogo tem uma porção de regras, mas o básico é o seguinte:

– Você tem, de início, três trabalhadores;

– A cada turno você deve colocar um ou mais trabalhadores em uma ou mais das rodas ou você deve retirar um ou mais trabalhadores de uma ou mais das rodas. É uma ação obrigatória – se você não tiver mais trabalhadores para colocar, por exemplo, deverá retirar um ou mais; o contrário também é verdadeiro (se não tiver mais trabalhadores para remover, tem que colocar); (mais…)

DOOM (com caps lock, como um adolescente animado) é um jogo de 1 contra vários, em que uma pessoa é o Líder dos Invasores e os outros, os soldados. É baseado em cenários, e possui toda aquela qualidade em arte e componentes que espera-se da Fantasy Flight.

(mais…)

Tournay – resenha

Publicado: 24 de novembro de 2017 por Tiago Perretto em Resenha
Tags:, , , ,

Olá!

Imagem por W Eric Martin

O básico das regras:

O tema está tão densamente envolvido no jogo que eu tive de olhar a descrição do Tournay na página do BGG para saber exatamente qual era o cenário. Ocorre que Tournay, uma cidade na gália belga às margens do rio Scheldt, foi atacada e destruída por normandos em 881. Agora, 30 anos depois, o povo retorna e inicia-se a reconstrução dela, preparando-a para um longo período de prosperidade, mesmo sob a constante ameaça de ataques.
(mais…)

Olá!

Imagem por W Eric Martin

O básico das regras:

Em Castles of Burgundy cada jogador representa um nobre buscando expandir sua influência em seu território com a construção de colônias, castelos, criando gado, minerando, exportando mercadorias e adquirindo conhecimentos que os viajantes trazem. (mais…)

Olá!

Aviso que as impressões abaixo, como dito, são as primeiras, com base em uma única partida.

Imagem por vittorioso

O básico das regras:

Village é um jogo que revolve ao redor da vida mundana de uma vila medieval. Na dita vila seus habitantes realizam trabalhos diversos, servem à Igreja, ao Conselho entre outras possibilidades e, se forem membros destacados – usualmente porque foram um dos primeiros a realizarem/participarem de algo – entrarão nas crônicas históricas da vila, eternizando-os na memória da vila. Aos demais restará um espaço no cemitério público e o esquecimento. Este é o cenário do jogo.

Cada jogador controla uma família. Os meeples de cada família são numerados de 1 a 4. Isso é para indicar a qual geração eles pertencem. O jogador começa com quatro meeples com o número 1. Esses serão, usualmente, aqueles que terão um espaço no livro de registros, já explico o porquê.

Na preparação para cada rodada, alguém coloca o total de cubos indicado para o tanto de jogadores junto aos cubos pretos (praga) no saquinho e retira dali a quantidade indicada para o número de jogadores para cada área destinada a isso no tabuleiro. A quantidade de cubos em uma área indica o número de vezes que as ações relativos àquela área podem ser realizadas, pois um cubo deve ser pego pelo jogador que deseja utilizar uma ação daquela área. (mais…)